segunda-feira, 18 de maio de 2020

Mínima luz (2020) - Três Tristes Tigres

Os TTT (Três Tristes Tigres) são um trava línguas! Quem se lembraria de um nome destes para um projeto musical pop-rock-new-wave-low-fi-arty? É difícil dizê-los, mas é fácil ouvi-los. A equação é simples: Ana Deus, artista completa, com mais ganas do que voz, junta-se ao guitarrista do Porto, o guitarrista por excelência Alexandre Soares, mais experimentalista que os extintos experimentalistas GNR, e cantam e tocam a poesia da poetisa Regina Guimarães, mulher e professora de diálogos filmados e isto é igual a mais um álbum auto editado em nome dos Três Tristes Tigres, o primeiro, se quiserem, o último, em 22 anos. E o resultado é grande! As amostras seguem aí em baixo, basta clicar na setinha e subir o som. Sim, é o urbano depressivo à moda do nebuloso Porto do século XXI em tempos de pandemia sanitária globalizada. Mínima Luz (2020), assim se chama o objeto, conta com os muitos sintetizadores do guitarrista, mais o baixo elétrico de Rui Martelo, a bateria de Fred Ferreira, a percussão de Gustavo Costa e a harpa de Angélica Salvi. Mínima Luz está à venda em CD e vinil por encomenda, para o email correiodostigres[at]gmail.com. As críticas já foram todas feitas pela imprensa de referência, mas aqui no Meios de Produção também temos uma palavra a dizer! Confirma-se: é muito bom!


Gala(n)teio




À to(n)a





Língua fra(n)ca