quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

Georges Wolinski 1934-2015

Wolinski, no Porto Cartoon 2011, presidente do júri do festival internacional
Wolinski era irreverente, escatológico, satírico. Era um cartoonista. Tinha 80 anos e era cartoonista. Representava a liberdade de expressão que caracteriza as sociedades avançadas, as sociedades democráticas. As sociedades que permitem que se viva em liberdade, que se viva a liberdade individual, a liberdade de pensar, dizer, escrever e desenhar o que se quiser. Wolinski vivia em liberdade, liberdade pela qual lutou desde o Maio de 1968. Wolinski vivia num país democrático e livre, um país onde até os fanáticos se escondem à sombra da liberdade.





















Celebremos a liberdade. Celebremos a liberdade de expressão. Envergonhemos os fanáticos. Demos educação e liberdade aos seus filhos. Lutemos contras as diferenças, as diferenças económicas, as diferenças intelectuais, as diferenças culturais. Lutemos contra a indiferença. Façamos cartoons, cartoons satíricos, cartoons eróticos, cartoons escatológicos e mostremo-los aos fanáticos. Satirizemos os fanáticos!


Viva a liberdade!


Em memória também de Cabu (1938-2015), Charb (1967-2015) e Tignous (1957-2015) e todos os que foram assassinados hoje em Paris, no ataque ao Charlie Hebdo.