domingo, 26 de junho de 2011

Grandes sons para essa semana

Em nome do Criolo e do Pucarinho, convido-@ a ouvir/ver, a curtir e a espalhar a boa nova:

(criolo - não existe amor em sp, 2011)

O álbum "Nó na Orelha" pode encontrado para download grátis no site do artista, AQUI. Não se deixem enganar pelo aspecto rap hip hop. Agradeço a dica ao euovo.blogspot.com (instituição internacional da música em português, do lado de baixo do equador)

(pucarinho – agora que parece, ao vivo 2010, madrid, espacio ronda)

A banda de Luís Pucarinho é uma agradável surpresa para 2011. Os temas do novo álbum, "Na Rua Amarela" podem ser ouvidos no myspace, sem download. Os Pucarinho vão estar, em Julho, em digressão nacional na rede Fnac. Conheci-os hoje, na Antena 1, ao vivo com grande qualidade sonora e em entrevista, num dos programas de serviço público de rádio, Viva a Música, de Armando Carvalhêda. [Só daqui a uns dias aparece o link da edição de hoje do programa. Não percebo os atrasos. Entretanto, se me lembrar, ponho-o no Meios de Produção.]
[Act.: 29/Jul/2011. Pode ouvir o concerto de Pucarinho na Antena 1, no Viva a Música AQUI]

sexta-feira, 10 de junho de 2011

The rule of law

Between 1933 and 1974, Portugal followed a polity quite groundbreaking for its time, which enshrined the individual and collective rights, including freedom of expression and association. 

But Portugal was an authoritarian regime, totalitarian trend of single party, which followed all the rituals of the fascist regimes in Europe, introducing the roman salute in political life, youth organisations to support the paramilitary control scheme and public morals.

Portuguese Childhood Parade "Mocidade Portuguesa", Dec 1st 1940; from Fototeca, Palácio Foz, in O Estado Novo, (1994) Fernando Rosas (coord.); José Mattoso (dir.), Editorial Estampa, Lisboa, Vol. VII.
How it was possible to maintain a nearly democratic Constitution and progressively transform the country into a fascist society?
Firstly, through decree-law.

The dictator – Salazar, unlike Hitler and Mussolini, was never elected – was a man of little clarified, given to dark intrigue, conservative catholic, anti-communist and anti-democratic. He ruled the country, which barely knew, tucked away in his office and through what his emissaries told him.

Soon after the promulgation of the political Constitution of Portugal, in March 1933, he began issuing decrees contrary to the vaguely democratic precepts of the basic law prohibiting freedom of expression and association, instituting a political police whose first role was to monitor the population on these same precepts.

Portugal has lived, for more than four decades, a system of appearances, in which the law said that freedom was possible, but then appeared a discreet decree to forbid it. And this petty way of governing was so accepted by the Portuguese, that everyone thought it was normal that Salazar rules everything, even if the law says otherwise. Like it or not, this wraps a country and its people.

Salazar voting in 1942 presidential elections(All elections was forged) in Arquivo «O Século», CPF
The Constitution stated that who named the President of the Council (appointed Salazar) was the President of the Republic. But, in fact, the President of the Council, a position equivalent to the current Prime Minister, was who chose the President of the Republic. The President of the Republic, as the basic law, had the power to dismiss the President of the Council. But, actually, who dismiss the President of the Republic was the President of the Council. The opposite case. 

Marcelo Rebelo de Sousa, eminent professor of law connected with the party winning the legislative elections of 5 June, stated that the Constitution of Estado Novo (New State, as the regime named it self) was a semantics Constitution, as I had said before in Meios de Produção; i.e. rhetoric needed a political model, but the practice showed another distinct model, often contrary to the rhetoric.

With the death of António Salazar in 1970, many thought the regime, now led by Marcelo Caetano, would be different. A vain aspiration and absurd, since an authoritarian regime would be incapable of producing suddenly a democratic regime or civil liberties.

Caetano was limited to semantic issues, changed the name of the political police, for example, introduced freedom of the press (which was under censure since 1926), but at the same time, imposed a State of War, that forbade it (Portugal was fighting liberation movements in its colonies in Africa). 

Was this world of appearances, hypocrisy and meanness that graduated Aníbal Cavaco Silva, who is currently the President of the Portuguese Republic. His nature has long been discussed here in Meios de Produção and it’s not worth going back to what was said.

However, Cavaco Silva – elected to the post of Prime Minister in full democracy – is always in history for having awarded two police policy of Salazar, for services rendered to the nation, and at the same time having refused a survivor's pension to one of the heroes of the Democratic Revolution of 25 April 1974, the change of regime that came to allow his free election. And that nobody takes away for many posthumous tributes that he promotes.

[HERE, in portuguese Parliament you can watch Cavaco Silva swearing the Constitution]

But now Cavaco shows what the Constitution of the Portuguese Republic is, in the best authoritarian regime interpretation. It will be minor trampling, say some, but in minor tinny trampling following another… And we’re back in semantic constitutions!

What is happening? The Article 187 of the Portuguese Constitution stipulates that “the Prime Minister is appointed by the President of the Republic after hearing the parties represented in Parliament, and bearing in mind the election results”. What does the President of the Republic, and always did since the 25 April 1974? Calls the parties with parliamentary representation and then appoints the Prime Minister. 

But Cavaco Silva prepares to do otherwise. Called the first one who will be Prime Minister, the most voted party leader, and has not even thought of calling parties. Reversed the rule of the Constitution!

This issue is no less important if we consider, for example, that in East Timor, a young democracy and that has a Constitution similar to the Portuguese (East Timor was a portuguese colony), in 2007 parliamentary election, the most voted party, without majority, Mari Alkatiri’s FRETILIN, not formed Government, because the President of the Republic, gave the legislature to the second most voted party, Xanana Gusmão’s CNRT, which colligated with another smaller party.

In Portugal, this scenario or another would also be possible, but Cavaco Silva erased it, precisely because the Portuguese Constitution was deliberately trampled on; the Basic Law of the State and from which derives the entire national political and administrative organization was deliberated trampled.

Cavaco Silva said nothing yet but he will make his speech today on 10 June, national holiday, date he used to call the “day of the race” (fascist and xenophobic designation used under authoritarian regime until the 1950s to mark the national holiday; as you undestand Portugal was also a colonial regime). And what will he say to the Portuguese is the primacy of speculative international economics to the basic law.

Cavaco Silva will say that it is more important to the Portuguese that the basic law is outdated because we need urgency to meet an international loan agreement with high interest rates, that will radically transform our lives, impoverishing us, shooting us for a long recession and possibly irreversible.

This is the recipe that Cavaco Silva knows and believes in and that has its origin in his formation in the authoritarian regime: the people can and should be suppressed because they are uneducated and dangerous and what elites do for the people it’s the best for them – deliver all goods and services to private companies because they will produce the best results.

I never realize that the best results were for shareholders or to the people.

[Obviously my contempt for the current President of Portuguese Republic remains alive and well and undisguised – just see what he said in the communication before the elections of 5 June, puts any hair on foot – so I'll shut up indefinitely. Again. I will return when there is news. Or new projects.]

listening unnecessary begging, fela kuti, in the underground spiritual game (1992), original from no buredi (no bread), 1976

terça-feira, 7 de junho de 2011

Thinking outside the box

A partir de uma notícia emitida ontem pela TSF, às 22h00, em antena durante a madrugada de hoje:

O sociólogo Boaventura Sousa Santos defende que o próximo Governo português deve procurar auxílio financeiro alternativo ao da União Europeia e FMI, propondo uma auditoria da dívida pública, como sucedeu na Alemanha, em 1953.

A auditoria pressupõe «uma suspensão do pagamento da dívida e o dinheiro pode ser imediatamente accionado para o desenvolvimento económico», adiantou Sousa Santos, em declarações à TSF.

Esta opção implicaria que «Portugal ficasse fechado aos mercados europeus durante um pequeno período», sendo que a «liquidez» necessária poderia vir da União Europeia, «através do sistema de eurobonds, se ele estivesse a funcionar».

Outra solução [para esse período] poderia passar por «investimentos e empréstimos de países que possam estar em condições de, a curto prazo, oferecerem algum apoio a Portugal», entre eles Angola, «que é já um grande investidor e com interesses comerciais muito grandes em Portugal» ou o Brasil.

«Para isso, precisamos de ter líderes políticos, gente capaz de pensar fora da caixa [thinking outside the box]».

Boaventura Sousa Santos entende ainda que os partidos de Esquerda se devem alinhar na oposição na sequência dos resultados das legislativas de domingo, numa altura em que «acabou a ficção e vai começar a realidade».

O sociólogo coloca as conversações para a formação de um novo Governo num período de transição entre estes dois períodos e não tem dúvidas em afirmar que «nunca houve eleições tão irreais como estas».

«O país vai mudar profundamente nomeadamente com as privatizações e cortes nas pensões, com as alterações nos sistemas de saúde e educação. É um país que daqui a dois anos estará diferente se este memorando for cumprido», garantiu.

Apesar disso, Boaventura Sousa Santos entende que os prazos fixados no memorando de entendimento entre o governo de gestão e a troika FMI/BCE/UE «não são exequíveis politicamente em condições democráticas». «É de prever que haja perturbação social e por isso é que penso que deve haver alternativas políticas», afirmou o sociólogo. 

Sousa Santos considera que o «protesto» já não pode ser alternativa e que a «alternativa de Esquerda vai ser necessária», sempre num «contexto europeu», pois duvida que a actual «solução política aguente mais de dois anos», dado que a «crise se vai aprofundar».

O link da notícia na TSF pode ser encontrado AQUI

Vale a pena ouvir as declarações de Boaventura Sousa Santos e não ligar muito ao texto que as acompanham. Diz a TSF que foi feita uma entrevista ao sociólogo, mas não é disso que se trata: são apenas algumas declarações de cerca de três minutos. O que diz Sousa Santos, tal como disseram a CDU e o BE antes das eleições de domingo, é que há alternativas credíveis e sérias à solução que nos querem impor. E que este plano da troika FMI/BCE/UE não traz desenvolvimento económico, pelo contrário, vai empurrar Portugal para uma recessão sem precedentes, através de um programa de privatizações em benefício dos especuladores internacionais, que vai fazer subir o preço de todos os bens e serviços essenciais, apostando ainda numa forte desregulamentação social, que aumentará a conflitualidade. Por isso mesmo, o sociólogo acredita que o plano da troika não vai ser cumprido, mas vai atirar o país para uma crise social, política e económica.

Por que é que é importante o que diz Boaventura Sousa Santos?

Entre muitas coisas, por ser um intelectual não alinhado, crítico do neo-liberalismo, estudioso do pós-colonialismo, com audiência internacional, mas também por causa disto:
[A foto de Sousa Santos, já utilizada no Meios de Produção, foi retirada da AgênciaCarta Maior]

segunda-feira, 6 de junho de 2011

E pronto…

E pronto, os portugueses eleitores escolheram ontem o país em que querem viver. Nada a dizer. Escolheram a privatização da RTP e da Lusa, escolheram a privatização da TAP, da EDP, de parte da CGD, da CP (linha Porto-Lisboa), da Águas de Portugal, dos Portos. Escolheram também o aumento dos preços da electricidade, da água, dos transportes, do IVA, dos preços de bens de consumo essenciais, dos impostos, escolheram a liberalização dos despedimentos sem justa causa (que vai implicar uma revisão da Constituição da República Portuguesa). Escolheram o apoio aos bancos que foram os responsáveis pela crise financeira mundial e que ao mesmo tempo têm dificultado os empréstimos às empresas, mas têm facilitado os empréstimos ao consumo, quais agiotas. 
Portanto, os portugueses eleitores agora têm que viver com isto. E como vivemos em democracia, por isso é que escolheram isto, eu, como não concordo, irei lutar para reverter este cenário. E felizmente não estou sozinho. E se hoje somos poucos, inevitavelmente amanhã seremos mais. E muitos estarão a lutar contra a sua própria escolha.

ouvindo burrice, tom zé, in defeito de fabricação, 1998

e a seguir sabor de burrice, tom zé, in grande liquidação, 1968

sexta-feira, 3 de junho de 2011

"A Praça é Nossa!" – Porto (Oporto)

Hoje à tarde a Praça da Batalha, no Porto, era dos jovens, dos descontentes, dos reformados, dos pombos, dos "chicos fininhos", dos turistas, dos transeuntes e da Polícia de Intervenção.
 Os cartazes reivindicam outra via e reclamam o espaço público como espaço de cidadania
 Entre reformados, alguns resistentes continuam a reclamar o espaço público e um outro mundo
Os turistas iam tirando fotografias aos cartazes colocados junto à estátua de D. Pedro, coleccionando slogans que têm estado a figurar em todas as praças europeias dos países democráticos, reclamando "outra" democracia. Ao fundo da praça, junto aos hotéis, figurava um pequeno contingente da Polícia de Intervenção, com seis a oito elementos, que vai "limpar" a via pública ou no domingo, no dia das eleições, ou na segunda-feira, no dia a seguir às eleições. Acredito que se fosse por vontade do presidente da Câmara do Porto, já tinham sido todos corridos a pontapé. Veremos.

quarta-feira, 1 de junho de 2011

"A pensar nas eleições" – artigo de Boaventura Sousa Santos

Imagem retirada de www.precariosinflexiveis.org; cidadãos jovens acampados na Praça do Rossio em Lisboa nos últimos dias de Maio de 2011.
Nos próximos tempos, as elites conservadoras europeias, tanto políticas como culturais, vão ter um choque: os europeus são gente comum e, quando sujeitos às mesmas provações ou às mesmas frustrações por que têm passado outros povos noutras regiões do mundo, em vez de reagir à europeia, reagem como eles. Para essas elites, reagir à europeia é acreditar nas instituições e agir sempre nos limites que elas impõem. Um bom cidadão é um cidadão bem comportado, e este é o que vive entre as comportas das instituições.

Dado o desigual desenvolvimento do mundo, não é de prever que os europeus venham a ser sujeitos, nos tempos mais próximos, às mesmas provações a que têm sido sujeitos os africanos, os latino-americanos ou os asiáticos. Mas tudo indica que possam vir a ser sujeitos às mesmas frustrações. Formulado de modos muito diversos, o desejo de uma sociedade mais democrática e mais justa é hoje um bem comum da humanidade. O papel das instituições é regular as expectativas dos cidadãos de modo a evitar que o abismo entre esse desejo e a sua realização não seja tão grande que a frustração atinja níveis perturbadores.

Ora é observável um pouco por toda a parte que as instituições existentes estão a desempenhar pior o seu papel, sendo-lhes cada vez mais difícil conter a frustração dos cidadãos. Se as instituições existentes não servem, é necessário reformá-las ou criar outras. Enquanto tal não ocorre, é legítimo e democrático atuar à margem delas, pacificamente, nas ruas e nas praças. Estamos a entrar num período pós-institucional.

Os jovens acampados no Rossio e nas praças de Espanha são os primeiros sinais da emergência de um novo espaço público – a rua e a praça – onde se discute o sequestro das atuais democracias pelos interesses de minorias poderosas e se apontam os caminhos da construção de democracias mais robustas, mais capazes de salvaguardar os interesses das maiorias. A importância da sua luta mede-se pela ira com que investem contra eles as forças conservadoras. Os acampados não têm de ser impecáveis nas suas análises, exaustivos nas suas denúncias ou rigorosos nas suas propostas. Basta-lhes ser clarividentes na urgência em ampliar a agenda política e o horizonte de possibilidades democráticas, e genuínos na aspiração a uma vida digna e social e ecologicamente mais justa.

Para contextualizar a luta das acampadas e dos acampados, são oportunas duas observações. A primeira é que, ao contrário dos jovens (anarquistas e outros) das ruas de Londres, Paris e Moscou no início do século XX, os acampados não lançam bombas nem atentam contra a vida dos dirigentes políticos. Manifestam-se pacificamente e a favor de mais democracia. É um avanço histórico notável que só a miopia das ideologias e a estreiteza dos interesses não permite ver. Apesar de todas as armadilhas do liberalismo, a democracia entrou no imaginário das grandes maiorias como um ideal libertador, o ideal da democracia verdadeira ou real. É um ideal que, se levado a sério, constitui uma ameaça fatal para aqueles cujo dinheiro ou posição social lhes tem permitido manipular impunemente o jogo democrático.
A segunda observação é que os momentos mais criativos da democracia raramente ocorreram nas salas dos parlamentos. Ocorreram nas ruas, onde os cidadãos revoltados forçaram as mudanças de regime ou a ampliação das agendas políticas. Entre muitas outras demandas, os acampados exigem a resistência às imposições da troika para que a vida dos cidadãos tenha prioridade sobre os lucros dos banqueiros e especuladores; a recusa ou a renegociação da dívida; um modelo de desenvolvimento social e ecologicamente justo; o fim da discriminação sexual e racial e da xenofobia contra os imigrantes; a não privatização de bens comuns da humanidade, como a água, ou de bens públicos, como os correios; a reforma do sistema político para o tornar mais participativo, mais transparente e imune à corrupção.

A pensar nas eleições acabei por não falar das eleições. Não falei?


[o artigo de Boaventura Sousa Santos tem a data de 1 de Junho de 2011 e pode ser lido na Agência Carta Maior, AQUI, disponível através de copyleft.]